sábado, 22 de janeiro de 2011

Lembranças


Aquela garota tinha muitos problemas, mas com certeza falta de memória não era um deles. Ela não se esquecia. Nunca se esquecia de nada. Mas ao contrario do que todos pensavam, isso não era para ela um dom, e sim um tormento.
Deitava-se toda a noite as 23:30, mas só conseguia dormir depois das 3:00. Estava atormentada. Lembranças não saiam de sua cabeça. Ela ainda conseguia sentir aquele perfume no ar, aquele perfume que pertencia à ele... e ele nunca pertencera à ela.
Lembrava-se de cada detalhe, de cada toque, de cada sorriso e de cada beijo, que para ela, eram inigualaveis. Lembrava-se também das promessas subentendidas, das conversas escondidas, das desculpas dadas.
Sabia que tudo aquilo não passara de mentiras. Sabia que para o dono daquele perfume ela não passara de um passatempo.
Por anos tentou esquecê-lo, mas suas tentativas eram falhas. Tentou odia-lo, mas para cada sentimento ou situação ruim proporcionadas por ele, lembrava-se de pelo menos duas situações boas.
Apesar de para ela todas as lembranças possuirem igual significado, sempre se lembrava do primeiro dia e do primeiro sorriso - que no fundo, para ela, foi o unico sorriso sincero.
Ela não o tinha mais, sequer o teve. Mas tinha lembranças que com ela permaneceriam pelo resto da vida.

Anelise C.